Campanha da Fraternidade 2014

06/03/2014 17:24

Na Bíblia encontramos uma página emblemática: o episódio da venda de José, filho do Patriarca Jacó. José foi vendido pelos irmãos, como escravo, a mercadores e levado para o Egito. Este texto nos ajuda a refletir sobre o tema da Campanha da Fraternidade deste ano. A Igreja, perita em humanidade, traz à baila este assunto complexo e desafiador: o tráfico de pessoas. A CF 2014 não quer somente que aprofundemos o tema, mas nos impele a  dar respostas concretas.

Este drama humano está em desacordo com o projeto de Deus, que é um projeto de vida para a humanidade. (Jo 10, 10)O objetivo geral sintetiza: "Identificar as práticas de tráfico humano em suas várias formas e denunciá-lo como violação da dignidade e da liberdade humana, mobilizando cristãos e a sociedade brasileira para erradicar esse mal, com vista ao resgate da vida dos filhos e filhas de Deus".

Aproveitemos o tempo da quaresma: tempo de conversão, revisão de vida e preparação para a Páscoa do Senhor. Neste tempo fecundo, a cada ano, refletimos temas que tocam a nossa existência. Num primeiro momento pode parecer-nos um tema árido, uma realidade distante ou mesmo ausente em nossa Diocese. Porém, se prestarmos atenção às várias modalidades de tráfico de pessoas, podemos mudar de opnião. Destaco as modalidades: tráfico para a exploração do trabalho, para a exploração sexual, para a extração de orgãos, para adoção de crianças, para atividades ilícitas. Precisamos é desenvolver um olhar mais acurado para perceber a  realidade que esta à nossa volta!

O tráfico humano possui um outro pano de fundo e este é apresentado pelo Texto Base da CF 2014. Neste pano de fundo mais amplo um aspecto chama a atenção: a mobilidade humana. Em nosso país tivemos o fenômeno do êxodo rural. No tocante à migração, há dois tipos: a migração voluntária e a forçada. O migrante voluntário migra por questões econômicas, em busca de oportunidade; enquanto o segundo é forçado pelas circunstâncias. Vale citar aqui, os "refugiados da fome", das "guerras" e o mais novo tipo o "refugiado ambiental". Contudo, todos vivem uma situação de vulnerabilidade, pois nem sempre conseguem obter trabalho, nem documentos oficiais e viver na legalidade. Em outras palavras, tornam-se "presas fáceis" diante da coação de aliciadores. Entretanto, hoje as mulheres e as crianças constituem as classes mais vulneráveis, assim como "o orfão, a viúva e o estrangeiro" foram nos tempos bíblicos.

A Igreja levanta sua voz profeticamente para dizer: o tráfico humano constitui um atentado contra a dignidade do ser humano. O ser humano não é coisa, mercadoria ou objeto, mas antes "imagem e semelhança de Deus". O salmista revela esta dignidade quando respondendo à pergunta: "Que é o homem"? - diz -" Vós o fizestes igual aos anjos, de glória e honra o coroastes"! (Sl 8, 5-6) Ainda mais, em Cristo, somos filhos e não mais escravos! Em Cristo recebemos a adoção filial. São Paulo nos ensina: "não recebestes o espírito de escravidão, (...) mas recebestes o Espírito de adoção de filhos. (Rm 8, 15) O lema da CF 2014 ilustra ainda mais quando afirma: "É para liberdade que Cristo nos libertou". (Gl 5, 1) O tráfico humano rouba das pessoas a dignidade e a liberdade!

Por fim, lembro que este texto não pretende esgotar o tema. Quero, porém, despertar no leitor o desejo de aprofundá-lo e com ele se comprometer. O texto-base nos oferece algumas pistas de ação.  Detenho-me em três que estão ao nosso alcance: a)- conscientização sobre a realidade do tráfico humano, afinal estamos tratando de um crime silencioso. As vítimas temem denunciar com medo de violentas represálias. b)- o acompanhamento, por parte das pastorais, dos migrantes rurais e urbanos que, ao migra, perdem suas raízes e tornam-se vulneráveis. c)- a coleta da solidariedade, feita no Domingo de Ramos que é aplicada, em âmbito diocesano e nacional, em projetos sociais relacionados ao tema da CF do ano corrente.

Padre Dirceu Medeiros - Vigário Geral da Diocese de São João Del Rei

Animador diocesano da Campanha da Fraternidade 2014.